Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

"Ruby" manobra com a ajuda da "Electra"


 O porto da Graciosa recebeu os seus primeiros navios de 2011, no dia 3 de Janeiro (e únicos até ao momento), o primeiro visitante foi o "Espírito Santo", dos TMG,Lda., que operou como habitualmente durante a manhã,  ao inicio da tarde era a vez de operar o "Ruby" da Box Lines Navegação SA, empresa que volta ao porto da Graciosa apenas 6 dias depois da escala do "Apolo", e tentando fugir ás condições metereológicas que se anunciavam para os restantes dias da semana, diga-se de passagem que foi uma boa aposta.
Esta entrada e saída do "Ruby" fica marcada pelo vento que se fazia sentir de Sul, variando a intensidade entre os 20 e 30 nós,   fustigando o seu lado de Estibordo após a rotação para a entrada no porto, essa condicionante foi contrariada com sucesso pelo Cte. do "Ruby" e pela assessoria do Piloto de serviço, que recorreu à polivalência da lancha de Pilotos "Electra", que prestou o auxilio possível com as suas 6 tons de tracção.
 (©) Copyright fotos: MM Bettencourt, Graciosa.

6 comentários:

César João disse...

Espectáculo de post caro amigo!

Manuel disse...

Obrigado Amigo César João, nestes assunto de carga contentorizada vivemos em duas ilhas que recebem essa carga com frequência quinzenal, logo à que fazer todos os possiveis dentro dos devidos limites de segurança para que essas ligações não falhem. A Box Lines têm vindo a ter uma ainda maior consciência insular, fazendo alterações à sua rotação para que a ilha não fique sem essa fundamental escala, algo que por vezes não é fácil para os armadores.
Um Abraço,
Manuel

César João disse...

Pois, lá isso é verdade. Havendo sensibilidade tudo é mais fácil. Por aqui e, quando há possibilidades, também a Transinsular faz uns sacrifícios para os contentores de bovinos vivos chegarem mais rápido ao destino.

Manuel disse...

Sabes João, eu acho que o ideal seria escalas semanais, mas também sei que seria dificil uma vez que a nossa dimensão é reduzida, mas também, seria dificil mas não impossivel.
O que não concordo de maneira nenhuma é com as malditas plataformas logísticas, que obviamente não têm como objectivo o bem das pequenas ilhas, mas o bem dos interesses de alguns.
Cumprimentos,
Manuel

EstivadoresAveiro disse...

As plataformas logísticas, também acho que não vão ajudar em nada. A não ser a quem lhes interessa.Isto está cada vez mais para leis de compadrio, mas enfim, vamos andando e indo como se diz por aqui.Parece que a Electra agora dá uma ajuda valiosa por esses lados, com esse vídeo tive a oportunidade de ver melhor esse porto, assim com esse ângulo de filme realmente vi melhor como é isso por ai.
Abraço desde Aveiro.
Para quando um vinda ao continente?
Orlando Miguel08

Manuel disse...

Boas Amigo Orlando, como sabes não temos rebocador, por isso a Electra dá uma pequena mas importante ajuda, claro que o faz dentro de certos limites porque como sabemos é uma lancha polivalente e não um rebocador, mas têm sido muito útil. A sua constução foi feita com alguns pormenores pensados para a especificidade do nosso pequeno porto, dou-te o exemplo da mulheira, gato-de-escape,e os olhais para varagem rápida com o reachstacker.
Quanto ao porto como podes ver é pequeno, mas também a ilha não é grande.
Um Abraço,
Manuel